Nostalgia.

O céu estava escuro, as ruas molhadas, o vento era gelado, e uma garoa caía das negras nuvens em algumas partes da cidade, como nascentes de rios. Podia ver as luzes dos postes em plenas quatro horas da tarde, tão escuro estava o tempo. Do alto do prédio, pela janela, observava as pessoas passando na rua, pequeninas, apressadas, trombando umas nas outras, sempre no seu tempo apressado para seus trabalhos muitas vezes deprimentes; podia dizê-lo pelas expressões em seus rostos que, apesar de pequenos, eram bem definidos: os olhos tristes, as testas franzidas, sempre abraçadas aos casacos devido ao frio cortante que fazia; vez ou outra via um casal passar abraçado para se cobrirem da chuva, mas ainda assim, não via a felicidade em seus rostos. O dia parecia combinar com meu estado de espírito: melancólico e sombrio. Foi quando o vi.
Seus cabelos castanhos bagunçados, seu rosto divertido, sua barba por fazer, sua camisa de flanela xadrez vermelha e as calças rasgadas prendiam minha atenção, e nada mais me importava além dele. Sua imagem estava distante de mim, mas sabia que me encarava, assim como eu o fazia. Sabia também qual era a expressão em seus olhos, afinal, era sempre a mesma quando me via. Seus olhos verdes se assemelhavam ao mar num dia ensolarado, translúcidos de calmaria e serenidade; acompanhavam seu sorriso, e juntos – olhos e sorriso – irradiavam luz naquele dia enegrecido, eram como o sol. Mesmo distante, podia sentir o calor que emanava de seu ser, podia sentir seu cheiro de sabonete masculino misturado com algum perfume francês caro que eu tanto amava – e ele sabia; podia sentir o toque aveludado de sua barba, o toque macio de suas mãos em minha cintura.
Ao fechar os olhos, podia sentir seus beijos, seu braços me envolvendo fortemente, seus cabelos enrolados e macios emaranhados em meus dedos. Em apenas alguns instantes, uma maré de sentimentos inundava meu ser, sem que fosse possível contê-los. Afogava-me em ondas constantes de calma, felicidade, paz – sentimentos que só ele conseguia me proporcionar.
Durante tal enchente de sensações, pude perceber que seus olhos, antes tão verdes e vivos, agora haviam se tornado cinzas como o céu. Os raios de luz que antes partiam dele e iluminavam aquele dia haviam sumido, a chuva havia apertado, restando apenas ele na rua, com as roupas ensopadas e o cabelo escorrido em seu rosto. Agora o divertimento presente em seu rosto havia sumido, e me encarava friamente, com um quê de raiva em seus olhos, antes tão calmos e serenos. E então um som ensurdecedor rasgando por meus tímpanos.
O despertador. Tudo havia sido um sonho. Suspirei, olhando para as paredes brancas e vazias, as caixas da mudança ainda nos mesmos lugares em que havia as colocado, sendo iluminadas apenas pela fraca luz que entrava pela janela. Levantei-me e caminhei até a janela.
O céu estava escuro, as ruas molhadas, o vento era gelado, e uma garoa caía das negras nuvens em algumas partes da cidade, como nascentes de rios.

20140123-120356.jpg

Anúncios

Life’s too short to be serious

Todos os anos, nos seus últimos segundos, sempre me digo que o ano seguinte será diferente, mas isso nunca aconteceu; nunca realmente me esforcei pra isso. Mas esse ano, logo no início, minha vida deu uma volta enorme, que nunca pensei que daria.
Não sei se essa volta foi devido à minha, vamos dizer, desistência de algo que pensei que seria o certo pra mim, se devido à escolha do meu sonho de criança, ou se devido ao fato de eu passar a ver vídeos dele todo dia, mas aconteceu. Talvez eu tenha achado o que quero pro resto da vida, o que vai me fazer feliz, ou talvez ele me mostrou que a vida é melhor quando você vê piada em tudo, quando você não é tão sério. Afinal, a vida é curta.
Dizem por ai que ela é curta pra ser levada a sério, mas não. A vida é curta pra SER tão sério. Não podemos passá-la nos preocupando o tempo todo, mas temos que levá-la a sério sempre. Algo que eu não vinha fazendo.
Só temos uma chance de vivê-la. Uma. Não duas, não três. Não temos sete vidas como os gatos. Temos uma. “Ah, mas tem gente que praticamente tem uma segunda chance de viver.” Sim, mas não é por isso que você vai fazer de tudo que pode acabar com sua vida.
A vida é uma só, e o pré-requisito básico pra ela acabar é estar vivo. Então temos, sim, que viver, rir, achar graça das coisas, mas também devemos levá-la a serio. Sem SERMOS sérios.
A vida é bela, e nessa volta que 2014 me proporcionou, eu percebi isso.
Pela primeira vez em anos, eu digo com certeza: a vida é bela. Se não está, ela vai ficar.
“Life’s too short to be serious.”

20140210-103045.jpg

Copa 2014

Não minta: logo quando foi anunciado que a Copa do Mundo de 2014 seria no Brasil. você vibrou, ficou felizão mesmo, afinal, temos a seleção com o maior números de copas ganhas. Mas, nem tudo são taças, uma hora a ficha cai, pra muita gente já caiu.

Se clima de Copa já é sempre festivo nas ruas do nosso país, imagina com ela sendo realizada aqui… Mas a questão que eu quero expor aqui, é simples, clara e rápida: não temos reais motivos para comemorar e não faltam formas de exemplificar e justificar isso. Deveríamos ter outras prioridades. O Brasil não está preparado e muito menos merece um evento desse porte, até tentaram preparar: com obras e reformas de valores absurdos, mas até mesmo isso, falhou, até a tentativa de encher os olhos dos gringos, falhou. Era de se esperar, no Brasil, mais clássico do que jogos de futebol, do que a boa fama nos esportes, é a fama da falha, do jeitinho brasileiro, da corrupção que cega, aliena e de grande parte do seu povo ver tudo isso e permanecer no erro, ou melhor, de participar de tudo isso.

Os vídeos a seguir são alguns exemplos do que deveria ser prioridade, com o que se deveria gastar milhões, não precisa ser nenhum intelectual para ver isso, basta precisar usar algum serviço público, ou pior, depender de um.

Isso foram poucos exemplos, em um país com dimensões como o nosso, o que não falta é exemplo, todos muito próximos de nós, todas fazem parte da nossa rotina, se você não vive todo esse descaso e precariedade, você pelo menos a vê nos noticiários.

E sobre as obras? Vou dar o exemplo do que acontece em Fortaleza: o prazo de entrega da reforma do aeroporto é para março, mas já admitiram que não vai dar tempo, só foi concluída 25,1% da obra, e adivinhem a solução que encontraram pra isso… fazer um “puxadinho” que vai custar 3,5 milhões a mais.
O Castelão, foi o primeiro estádio da copa a ficar pronto, mas só o estádio mesmo, as avenidas ao seu redor estão em obras, interditadas, todo dia o mesmo stress pra quem mora na região ou simplesmente passa por lá. Não existe nem compromisso e nem respeito. Falha.
Links com mais informações:
http://www.opovo.com.br/app/opovo/cotidiano/2014/01/15/noticiasjornalcotidiano,3191075/de-sete-obras-previstas-apenas-o-castelao-esta-pronto.shtml

http://g1.globo.com/ceara/noticia/2013/09/obra-no-entorno-da-arena-castelao-facilita-assaltos-dizem-moradores.html

Já acho que o post tá ficando extenso, mas só pra finalizar, vejam a opinião  do ex-presidente Lula a respeito desses problemas, das prioridades, mesmo com tudo diante de seus olhos. Vai ver ele ainda não sabe de nada, ele nunca soube, né?

“entre as oito qualquer coisa que você quiser do mundo.”  (Lula)
Só se for entre as 8 piores em tudo.

 

yanna

Melhoras…

large

Ah, eu lembro da primeira vez que te vi, da forma como me senti. Como me senti bem sem ao menos te conhecer. E durante muito tempo me senti dessa forma, me senti eu mesma. Me senti feliz, como não imaginava ter me sentido antes. Durante quase um ano, disse que você foi meu salvador, e, de certa forma, foi, sim. Mas os tempos mudam e as máscaras caem.
Com o tempo vi quem você era de verdade, e percebi que nem tudo é um mar de rosas. Aquela primeira impressão que eu tive, de que você seria compreensível e realmente me ajudaria, foi por água abaixo quando eu mais precisava de você. Eu passei a ser um nada pra você – isso se eu fui alguma coisa, algum dia –, e isso me devastou. Ouso dizer que era como se você nunca houvesse me salvado à sua maneira, como tinha feito.
E hoje, ah!, hoje posso dizer que tudo que eu não sou pra você, você não é pra mim. Todo aquele amor que eu sentia por você desde o primeiro instante em que te vi, posso dizer que não, ele não simplesmente sumiu, mas se transformou. Hoje não preciso mais de você, não preciso que você me faça rir; não preciso ouvir sua voz pra me sentir bem, e seu cheiro não faz mais minhas pernas tremerem e meu coração palpitar como se quisesse sair pela boca. Hoje não fico mais sem palavras e sem ações ao te ver.
Hoje você não é mais meu salvador. Não. Hoje eu aprendi a salvar a mim mesma, sem a sua ajuda.
Hoje não preciso mais de você pra ser meu herói e eu ser feliz. Hoje eu sou minha própria heroína.

20140123-120356.jpg

Post nubila, Phoebus!

Lembro-me de ter dito a mim mesma, logo nos primeiros segundos do dia primeiro de janeiro, que esse ano seria diferente, que alguém entraria em minha vida e a deixaria melhor. E, bem, eu estava certa.
Ainda hoje, dois ou três meses depois, consigo me lembrar perfeitamente da primeira vez que coloquei meus olhos em você; consigo me lembrar perfeitamente daquela sensação ótima de rir de verdade com suas piadas idiotas; consigo me lembrar perfeitamente das primeiras palavras trocadas, de como me senti mal por nem ao menos ter te olhado quando passei por você, e você me cumprimentou; consigo me lembrar da primeira vez que falei qualquer coisa contigo, de sentir meu coração acelerado, e o ar começar a faltar. Não sei se isso pode ser chamado amor ou algo assim, não.
Mas sei que sou eternamente agradecida. Agradecida por você me fazer tão bem; por você fazer eu querer ser uma pessoa melhor, por fazer eu querer melhorar; agradecida por você me dar as forças necessárias para suportar mais um dia, para sobreviver; agradecida por você me ajudar tanto – mesmo que indiretamente –, fazendo tão pouco.
Mesmo que você não perceba, você foi a melhor coisa que me aconteceu nesses últimos tempos. “Post nubila, Phoebus”, e, em meio a tantas nuvens negras, você foi meu raio de luz, minha luz no fim do túnel, e, por causa disso, não importa o que aconteça, você sempre terá um espaço em meu coração, e, também, um pedaço dele.

20140123-120356.jpg

Ei, moço!

casal

Você olha pra esse moço de um jeito tão leve, tão lindo, tão feliz e amoroso. Você usa seu melhor sorriso quando ta com esse moço. Teus amigos já te disseram isso, já ganhou título de apaixonada da turma. Mas será que ele já percebeu isso? Será que você sabe o que se esconde por trás desses sentidos? Vai lá descobrir! Fala pra esse moço o bem que ele te trouxe, o quanto ele deixou tua vida mais florida, como agora parece ser sempre um misto de primavera-verão dentro de ti. Fala de todo o afeto que você nutre por ele, da segurança que ele te passa, o quanto você se tornou completa, completa em todos os sentido, até porque não é fácil ser completa nos dias de hoje, geralmente achamos que sempre está faltando algo, que nada é o suficiente, nada é bom, que com a presença  dele de corpo e alma não falta mais nada. Fala daquela música do Beatles que parece ter sido escrita pra vocês, copia aquela música-poesia de Nando Rei[s] num papel bem bonito com a tua melhor caligrafia e manda pra casa dele, ou entrega num momento qualquer, inesperado…

“Entre as coisas mais lindas que eu conheci
Só reconheci suas cores belas quando eu te vi
Entre as coisas bem-vindas que já recebi
Eu reconheci minhas cores nela então eu me vi”

Não tenha medo, não fale de medo, só abra seu coração pro moço que tomou ele de assalto. Não há o que temer, não há o que perder, porquê diante disso tudo, dos olhares às canções, você já ganhou muito, ganhou muito amor, resgatou uma parte de ti que tava intacta há um tempinho.
Agora aproveita o bem que tá passando pela tua vida, transforma tudo em poesia e espalha esse amor por ai, porque amor é igual livro: só alcança sua função se compartilhado.

yanna

O que eu preciso.

tumblr_mteaisaRON1qkc2l5o1_500

Sei que não deveria; sei que, de alguma forma, você é um babaca. Mas também sei que preciso de um abraço, ou melhor dizendo, do seu abraço. Preciso do seu cheiro, da sua cor, do seu suor depois do amor; preciso do seu toque, do seu gosto, da sensação da sua barba arranhando meu rosto; preciso dos seus olhos, verdes como o mar, e do seu enorme sorriso ao acordar; preciso do seu desejo de boa sorte antes de provas ou de alguma apresentação, preciso da sua animação. Preciso de você, de corpo e alma; preciso de todo o bem que você me faz, da felicidade que você me traz. É, preciso de você. Porque, mesmo você sendo um idiota, é sua presença que me faz tão bem.

mayara